sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

bróculos.


Estavam prontos para ir para a panela, mas primeiro um desenho. :)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

elemento vegetal.


Durante os meus passeios gosto de recolher elementos vegetais para desenhar e me inspirar. Este, pelos toques de vermelho e verde, combinava mesmo com o Natal.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

fotossíntese.


Depois de uma deliciosa fatia de bolo de chocolate, o destino foi a relva para aproveitar o Sol que nos tem iluminado neste inverno. É sempre uma boa oportunidade para desenhar a fauna urbana.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

rota dos miradouros.




A primeira paragem da tarde foi o Miradouro da Senhora do Monte, com uma vista bem ampla sobre Lisboa, e um excelente local para nos aquecermos ao sol enquanto almoçávamos. Como não estava tão concorrido quanto isso, ainda houve tempo para conversas e desenhos. Mas quando a preguiça começou a atacar, percebemos que era tempo de continuar a caminhada.
Fomos até ao já quase inexistente Miradouro da Graça e à Igreja, passámos pelo Miradouro das Portas do Sol, e depois fizemos nova paragem para desenhar no Jardim do Recolhimento, que parece o paraíso. De seguida, fomos espreitar o Chapitô, passámos pelo Chão do Loureiro, entrámos na Igreja de São Cristóvão, e descemos as escadinhas.
Por esta altura já o Sol tinha terminado o seu turno, e depois de umas voltas na Baixa também demos o dia por encerrado.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Roque Gameiro.


 
Durante o longo passeio da tarde, em que andámos de miradouro em miradouro, houve tempo para um pequenino desvio e fomos caçar um Roque Gameiro no Largo do Menino Deus. 

domingo, 22 de janeiro de 2017

Quinta do Ferro (continuação)

 

Na Quinta do Ferro há inúmeros elementos graficogénicos (expressão da autoria da Manuela) à escolha, mas depois de largos minutos a desenhar à sombra e ao frio, fui procurar uma nesga de sol e desenhar o que estivesse á mão...

sábado, 21 de janeiro de 2017

Quinta do Ferro.

 
Um desenho feito à sombra porque eram escassos os lugares ao sol, de luvas porque estava um frio de rachar e com imensas interrupções porque os carros tinham que passar. Mas esta vista valia a pena!

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

último do ano.


Confesso que não sou muito entusiasta dos típicos rituais de final de ano. Claro que é bom encerrar ciclos e ter 365 dias novinhos em folha para estrear, tal qual como quando acabamos um caderno e o guardamos, já ansiosos de preencher as folhas em branco do próximo, mas não me identifico com todo o exagero que se criou à volta de uma mudança de calendário.
Em 2015, durante a tarde e antes do caos se instalar, houve tempo para um desenho na Praça das Flores. Lembro-me de ter ficado tão deliciada com o rendilhado dos ramos das árvores, que por momentos deixei de estar ali. É o tal estado meditativo que o desenho proporciona...
Este ano sugeri fazermos o mesmo. Desta vez não houve ceroulas penduradas para desenhar, mas tivemos uma espécie de concerto de fim de ano.  
E este sim, é um ritual para manter.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Pátio dos Artistas.



 

É já uma espécie de tradição: quando vou a Campo de Ourique para desenhar passa-se sempre qualquer coisa no clima e, ou calha num dia de tempestade ou num daqueles dias abrasadores que parece que vamos derreter. Este dia não foi excepção.
Havia um encontro marcado para desenhar o Pátio dos Artistas, mas a chuva não nos permitia desenhar a céu aberto, e obrigou-nos a procurar refúgio no CACO - Clube Atlético de Campo de Ourique. Felizmente as nuvens passaram e durante o resto da manhã pudemos desenhar o Pátio.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Museu da Marioneta.




 
Desenhos de uma visita ao Museu da Marioneta no ano passado, e que ainda não tinham vindo a público. Ainda faltam pintar mais umas páginas...